Skip links

Municípios peruanos apresentam suas estratégias frente ao cambio climático

 

28 municípios estão comprometidos com o Pacto e 16 deles já têm Planos de Ação Climática Local.

O Peru já tem uma Estratégia Nacional de Ação Climática local apoiada pelo Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia, que foi apresentado em 23 de junho em um evento que contou com a participação de representantes de governos locais, instituições nacionais e da União Europeia. 

A Estratégia Nacional para ação climática local no Peru inclui medidas para apoiar as cidades e municípios peruanos que são membros do Pacto Global de Prefeitos a desenvolver ações climáticas concretas nos próximos dois anos e assim contribuir para alcançar as metas do Acordo de Paris para combater a mudança climática e limitar o aumento da temperatura média global a 1,5 graus Celsius.

A apresentação da estratégia do Peru, moderada pela jornalista Paula Ugaz, ocorreu durante a “Semana do Pacto em Ação: Cidades da América Latina para o Clima” na qual, além da estratégia do Peru, também foram apresentadas as estratégias do Brasil, Equador, México, Chile, Colômbia e Argentina. 

A União Européia fornecerá mais de cinco milhões de euros até 2025 para apoiar estas ações na região da América Latina. O financiamento e o apoio à capacitação serão administrados através do Pacto Global de Prefeitos, a maior rede de cidades para o clima que conta com mais de 11.800 membros em todo o mundo, dos quais 551 são cidades e municípios latino-americanos que, juntos, têm uma população de 243 milhões de pessoas.

Robert Steinlechner, Chefe de Cooperação da Delegação da União Europeia no Peru, disse que, à luz dos fatos e conforme confirmado pela ciência, o mundo continua a aquecer rapidamente, e tudo devido à influência humana. “Os impactos da mudança climática são sentidos de forma mais direta e intensa nas comunidades locais ao redor do mundo”. Para isso, o Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia é a maior aliança global de cidades e governos locais que se comprometem voluntariamente na luta contra a mudança climática para mobilizar e apoiar as ações climáticas e energéticas baseadas nas cidades.  

Steinlechner observou que a contribuição das cidades para contribuições determinadas nacionalmente vem de estar no contexto do Acordo de Paris. “Quero enfatizar que o Acordo de Paris é um compromisso dos Estados, é um compromisso que, em última instância, repousa nas autoridades locais”. Neste sentido, o Pacto foi criado para canalizar esforços, criar sinergias, proporcionando também espaços para o intercâmbio de conhecimentos e boas práticas”, concluiu ele.

O Ministro do Meio Ambiente, Modesto Edilberto Montoya Zavaleta, destacou a aprovação em 2021 das diretrizes metodológicas para a formulação e atualização dos Planos de Ação Climática Local, como parte da implementação da Lei-Quadro sobre Mudança Climática e seus Regulamentos. “Temos gerado espaços para treinamento e assistência técnica aos governos locais”.

Ele acrescentou: “Sabemos e estamos convencidos de que tudo o que fizermos, onde quer que estejamos, influenciará toda a Terra”. Neste sentido, o que estamos fazendo atualmente influenciará a mudança climática e isto terá um impacto em nossas vidas, mas acima de tudo na vida de nossos filhos, netos e todos os nossos descendentes. 

Volte para ver o evento

“Há 28 municípios comprometidos com o Pacto. Lima e San Isidro ganharam uma medalha pelo cumprimento integral e 16 municípios têm planos de ação climática local. Liliana Miranda, Diretora Executiva do Cities for Life Forum (FCV), começou apresentando os objetivos e as linhas de ação do Peru. 

Miranda mencionou que os objetivos são 6 no total, incluindo: contribuir para implementar áreas prioritárias do Pacto, finalizando os PLACs de cidades já comprometidas com o GCoM durante o Programa de Cooperação Urbana Internacional (IUC-LAC); reativar e acompanhar a Coordenação Nacional e o Conselho Consultivo Nacional e aumentar a influência, visibilidade e conhecimento do Pacto no país, promovendo a adesão de novas cidades como membros do Pacto.

As atividades para a Estratégia são 8: desenvolver um novo Guia para elaborar PLACs com medidas de Adaptação, Mitigação e Governança Climática Local para Municípios Amazônicos; 3 visitas de campo para gestores de municípios signatários do GCoM: nova gestão e novos signatários; trabalhar com o CCN para priorizar medidas de adaptação e mitigação nos PLACs para buscar financiamento e/ou endosso do Governo para implementá-los e encerrar as atividades em 2024 com um Seminário Nacional (presencial e virtual) em Lima.

Para Jorge Reategui, Diretor Nacional da Associação de Municípios Peruanos (AMPE), este é o momento de mudar as coisas “e eu acho que estamos tomando a decisão certa e parabenizo cada um dos membros em cada um dos estados que estão trabalhando nestes planos”. O diretor também lembrou as consequências da pandemia sobre o trabalho ambiental.

“Durante a pandemia, tem sido um choque para nós, como foi para o mundo inteiro. Mas também nos fez refletir sobre o fato de que temos que nos concentrar muito mais na parte ambiental, na parte do ecossistema, que é tão importante”.

Mais pistas para bicicletas e menos emissões de gases

O prefeito do distrito de San Isidro, Augusto F. Cáceres Viñas, lembrou que o Peru é um dos países onde a situação da mudança climática é dramática”. Como todos sabem, a mudança climática e a deglaciação das 18 cadeias montanhosas no Peru são muito importantes. Somos o país com as cadeias de montanhas mais tropicais do mundo”, disse ele.

As medidas de mitigação de emissões de gases de efeito estufa no distrito de San Isidro incluem o aumento do número de ciclovias para 16.147 quilômetros adicionais e o serviço municipal “Expreso San Isidro”, onde foram adquiridos ônibus elétricos que não emitem gases poluentes. Estima-se que eles evitarão 5.800 toneladas de dióxido de carbono até 2050. 

Compromisso e desenvolvimento

Miguel Angel Atausupa Quin, da Sub-Gestão de Saneamento Ambiental do Município Provincial de Cusco, interveio em nome do Prefeito de Cusco, Victor Beluarte Medina. 

O Município Provincial de Cusco está comprometido com o desenvolvimento deste plano de ação climática local para a província de Cusco pós-pandemia. Com um enfoque de 2022 a 2030, centrado num contexto de mudança climática e, acima de tudo, focado também em metas e desenvolvimentos sustentáveis que busca, neste caso, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e aumentar a resiliência de Cusco à mudança climática. “Em Cusco, primeiro como região, estamos atualmente atualizando nossa estratégia regional de mudança climática”, disse ele. 

Existem 19 estratégias identificadas pelo governo local e ligadas a questões como água, biodiversidade, florestas, agricultura e produção. “Neste processo participativo, fizemos questão de ouvir todas as partes interessadas para promover a ação climática em Cusco. Trabalhando em sintonia com os governos locais que compõem a província, juntamente com nossos 8 governos locais. Cada um tem a habilidade de resultar em uma província com desenvolvimento sustentável, de baixo carbono e resistente ao clima”, acrescenta Atausupa.

Por sua vez, Jordan Harris, coordenador do Pacto Global de Prefeitos nas Américas, destacou que durante o evento “exemplos muito claros de como cidades muito diferentes, de tamanhos diferentes, contextos diferentes, realidades diferentes, como Cusco e San Isidro, podem tomar medidas concretas para responder à crise climática”. 

“Esperemos que este seja realmente o início de um novo ciclo do Pacto no Peru para construir juntos um futuro melhor, mais sustentável e mais resiliente diante da crise climática”. Você sempre pode contar com o apoio do Pacto e da União Européia para continuar contribuindo para fortalecer as cidades, todos os municípios do Peru e todo o continente latino-americano em seus compromissos de planejamento e ação diante da mudança climática”, concluiu Harris.

Mais de 500 municípios unidos na América Latina

O Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia é uma aliança global de mais de 12.500 cidades e governos locais em mais de 140 países voluntariamente comprometidos em agir sobre a mudança climática, reduzindo seus impactos inevitáveis e facilitando o acesso a energia sustentável e acessível para todos. O Pacto foi criado em 2016 com a fusão das duas maiores redes de prefeitos e cidades que trabalham com questões climáticas e energéticas: o Pacto de Prefeitos e o Pacto de Prefeitos. Hoje, mais de 500 municípios e cidades da América Latina fazem parte do Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia. São cidades e municípios que estão tomando ousadas ações locais e trabalhando em rede para compartilhar soluções inovadoras que permitam que os prefeitos façam mais, mais rápido. O Pacto convida novos municípios e cidades a aderir a esta iniciativa.

Mais informações:

Contato da Imprensa: Ébida Santos, [email protected]

 

Return to top of page