Skip links

Ferramentas técnicas e financeiras para a ação climática no Caribe em discussão no Fórum Urbano do Caribe 2022

Na sexta-feira, 17, o Pacto Global de Prefeitos para o Clima e a Energia (GCoM) nas Américas promoveu um workshop híbrido – online e presencial – no Fórum Urbano do Caribe 2022, com foco no desbloqueio de ferramentas técnicas e financeiras para a ação climática das cidades da região. Atualmente, seis cidades caribenhas são membros do GCoM.

O workshop foi uma parceria com a União Europeia (UE) em Barbados, representada pelo Gerente do Programa na seção de Economia Verde e Resiliência, José Legarra. Para discutir as questões das necessidades técnicas e financeiras que as cidades do Caribe têm para avançar com seus compromissos climáticos, o evento contou com a participação de Joseph Williams, representando o Banco de Desenvolvimento do Caribe (CDB), Paolo Bertoldi, representando o Centro Comum de Pesquisa Europeu; e Yoland Jno Jules, representando a Associação Caribenha de Autoridades Governamentais Locais (CALGA).

Nas palavras  de abertura, o representante da Delegação da União Europeia, José Legarra, explicou que a UE fornece recursos para apoiar o GCoM nas Américas em assistência técnica, eventos e para apoiar a diplomacia da mudança climática urbana. “A região do Caribe é uma das mais expostas à mudança climática, portanto, precisamos ajudar todas as cidades da região a ter acesso à ciência mais avançada e aos dados disponíveis para entender melhor os riscos. O acesso a esses dados é fundamental para moldar as políticas públicas, garantindo uma maior resiliência para essas cidades.

Jordan Harris, Coordenador do Programa do projeto GCoM Américas, facilitou o evento. Em suas observações iniciais, Harris apontou a relevância da necessidade coletiva de enfrentar a mudança climática e chamou a atenção para os desafios e objetivos para a região.

“Entendemos que há uma urgência de ação, especialmente em uma região como o Caribe, que é uma das mais vulneráveis às mudanças climáticas do mundo”. O Pacto procura capacitar os governos locais a se engajarem na contribuição a nível local para as agendas climáticas internacionais. Nosso foco é fortalecer as capacidades dos tomadores de decisão locais para que possam cumprir o compromisso assumido como parte do Pacto, assim como apoiá-los na implementação”, afirmou Harris.

O Administrador Principal do Centro Comum de Investigação (CCI)  da Comissão Europeia, Paolo Bertoldi, explicou o foco do Pacto em adaptação, mitigação e acesso à energia e os instrumentos para traduzir os compromissos das cidades em ações climáticas.

“É muito importante que as cidades, comunidades e municípios tomem ações em nível local”. Sua região não é apenas bela, ela também sofre com a mudança climática. Embora, como vejo, há muitas cidades empenhadas em fazer algo a respeito”, afirmou Bertoldi.

O Coordenador de Energia Sustentável do Banco de Desenvolvimento do Caribe, Joseph Williams, declarou que a resiliência é uma parte importante da estratégia climática do CDB e é parte da missão do banco. “Agora pensamos em resiliência de forma holística e abrangente, por isso falamos em resiliência econômica e social porque elas estão interligadas”, disse ele.

Para a representante da Calga, Yoland Jno Jules, é tão importante cumprir com a estratégia quanto apoiar a implementação. “Estamos trabalhando com países para ajudar as autoridades locais na preparação, implementação e monitoramento de toda a ação climática”, declarou Jules, explicando o trabalho realizado pela Calga nos últimos anos.  

Durante o evento, também foi anunciada a possibilidade de até cinco cidades do Caribe solicitarem apoio técnico dedicado do CCI, a fim de desenvolver Planos de Ação Climática abrangentes. Desta forma, o Pacto estará trabalhando em estreita colaboração com a delegação da UE em Barbados e com o CCI, de modo a identificar potenciais candidatos e lançar um programa de capacitação e apoio técnico por um período de até dois anos. 

Sobre o Fórum Urbano do Caribe

CUF 2022 é uma conferência de três dias para profissionais do uso da terra, formuladores de políticas, acadêmicos e profissionais aliados interessados em questões urbanas e de gestão de terras no Caribe. O tema deste ano foi “Beyond COVID: Recovery-Renewable-Resilience” (Além da COVID: Recuperação-Renovação-Resiliência), que convida planejadores a reconhecer a importância da adaptação às mudanças climáticas e das medidas de redução da vulnerabilidade ao risco para futuros padrões de desenvolvimento sustentável.

Return to top of page